terça-feira, 5 de julho de 2011

A IMAGINAÇÃO (by Martha Medeiros)...

Martha Medeiros é mais uma das minhas escritoras contemporâneas favoritas (embora, também desta, não concorde com tuuuuuuuuuudo o que leio), ao lado de Lya Luft (outra gaúcha!!! Meu lado "farrapo" falando forte novamente... kkkkkkkkkkkk).
Nestes dias, estou lendo "Non Stop - Crônicas do Cotidiano", que, em vários momentos, tem uma ótima pegada de humor...
:)
E esta crônica, definitivamente,
eu tinha que publicar aqui
(por que será??? kkkkkkkkkkkkk):

"A imaginação
Ele ficou de ligar às duas da tarde. Às duas em ponto você estava plantada ao lado do telefone. Às duas em ponto o telefone não tocou. Nem às duas e quinze. Nem às duas e meia. Nem às três. Você liga pra ele e lhe comunicam que ele não está. Ninguém sabe onde ele está. Quatro e meia. O telefone numa quietude petulante.
A imaginação, então, começa aquele exercício macabro de formular suposições. Onde ele está, afinal?
1. Ele está em casa, quietinho. Não ligou de propósito. Não atendeu o telefone de propósito. Ele quer que eu me dê conta sozinha de que a história acabou. Ele não tem coragem de terminar olhando nos meus olhos. Prefere que eu fique com raiva dele, assim me conformo mais rápido. No fundo, ele está se achando muito bonzinho, aquele pulha.
2. Ele não ligou porque ficou chateado com o que eu fiz ontem. Foi isso. Mas que diabo fiz ontem? Nós não brigamos. Não nos xingamos. Não falei mal da mãe dele. Nem da camisa puída dele. Nem do timeco dele. Ficamos o tempo todo no maior amasso. Eu fiz tudo certo, cacilda.
3. Ele conheceu outra depois que saiu aqui de casa. Ele passou num bar para tomar a saideira e viu a garota encostada no balcão. Chegou nela. Falaram. Ficaram. Sairam juntos. Estão juntos até agora, cinco e vinte da tarde. Eu quero morrer.
4. Morrer? Foi isso! Ele saiu daqui levitando de paixão, atravessou a rua sem olhar para os lados e cataplum! Passaram por cima. No tombo, perdeu a carteira de identidade. Foi levado para o IML. Não o identificaram. Foi enterrado como indigente numa vala comum. Impossível telefonar de lá.
5. Ele não morreu. Foi atropelado, mas não morreu, só ficou com uns lapsos de memória. Esqueceu meu número. Esqueceu meu endereço. Esqueceu que existe guia telefônico. E também não sabe mais ver as horas.
6. Ele ligou. Ele ligou pontualmente às duas, como estava combinado, mas eu não ouvi. Que silêncio é esse? Estou surda. Socorro, estou surda.
Você está louca, isso sim. Basta falhar a combinação e você já fica variando, criando mil fantasias na cabeça. Você e a torcida do Flamengo. Por que ficamos tão enlouquecidos com a desinformação? Por que estamos sempre achando que vamos ser deixados de uma hora pra outra? Por que acreditamos tão pouco em contratempos e ficamos a imaginar o pior? Simples: porque estamos apaixonados. Acontece com as melhores cabeças."

Então...
Atire a primeira pedra a moçoila que,
em maior ou menor proporção, 
nunca passou por isso...
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Porque...
tô pagando para conhecer esse poço de equilíbrio!!!
kkkkkkkkkkkkkkk