segunda-feira, 8 de agosto de 2011

4 FILMINHOS DO FINDI...

Vamos lá, então...
#sófilmaço#
Filme argentino.
Muito bom!!!!
É impressionante ver como podemos ter a incrível capacidade de sabotar aqueles que mais amamos...
Tem a pitada certa da comédia, sem descambar para a idiotice!
AMEI!!!

Filme francês, (também) para "treinar" a escuta da língua.
Bem...
Esse aqui me fez refletir muito.
Muito mesmo.
Silêncios profundamente eloquentes.
Impressionante ver como os enganos entram, sorrateiramente, na vida das pessoas, dos casais, dos sentimentos...
Chega a dar medo.
"Realizado de forma convincente e delicada, o drama francês Mademoiselle Chambon é um filme bastante simples, enxuto nas ideias e conciso na pretensão. O roteiro não aspira a inovar o que já foi visto e repisado nas histórias de amor. Mas, além da empatia provocada pela dupla de protagonistas, a fita explora uma situação capaz de seduzir a plateia — dos jovens aos mais maduros. É com grande transparência de sentimentos que o diretor Stéphane Brizé, de 43 anos, enfoca em seu quarto longametragem o dilema amoroso de Jean (Vincent Lindon). Esse pedreiro quarentão vive um casamento estável com Anne-Marie (Aure Atika) e é pai de um adorável garoto. Feliz em família, de uma hora para a outra ele se pega atraído pela professora do filho. Solitária e carente, a doce Véronique Chambon (Sandrine Kiberlain) deixou Paris para abraçar uma vaga de substituta numa escola do interior. Os desejos de um e de outro não são apenas de ordem sexual. Jean e a mademoiselle (senhorita) do título se entendem, acima de tudo, por diálogos diminutos, por olhares de cumplicidade e pelo gosto comum por melancólicas obras eruditas do compositor inglês Edward Elgar e do pouco conhecido húngaro Franz von Vecsey, tão bem empregadas na narrativa. O que escolher: a compreensiva esposa ou partir para uma nova relação? Não será fácil a decisão de Jean, acompanhada pelo espectador com uma proximidade tocante."

Eita...
Outro filme francês.
Só que de...
O enredo é mais do que conhecido: uma mulher casada que, às tardes, "trabalha" num bordel, às escondidas do seu esposo. Já inspirou peças teatrais e, também, novelas... Mas não é um filme de &%$#@ não, como pode açodadamente parecer...
Tem um roteiro altamente perturbador, que mergulha no que há de mais obscuro de alguns personagens...
É outro que faz pensar...
E muuuuuuuuuuito.
O trailer pode ser visto AQUI.

Este, eu tinha vontade de assistir há milênios...
Mas, todas as vezes, estava locado...
:(
É um Hitchcock.
Dispensa comentários, né???