segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Elucubrando...

Ai, ai...
#suspiro
*
Conclusão:
COMO É TRISTE SER UM BEBÊ LINDÃO...
:(
Explico:
Sabe aquela 2a-feira em que você diz:
"Obaaaaaaaaaa!!!!
O judiciário está em recesso!!!
Vou dormir o dia inteiro!!!"
Mas você acaba levantando cedo, para um compromisso matutino em território estrangeiro (não, eu não viajei para outro país, eu só fui a uma Embaixada... kkkkkkkkk) e, quando se dá conta, está, depois de tudo resolvido, já em ooooooooutro lugar, esperando por sua madrinha (que, por sua vez, aguarda uma consulta médica), sem nadinha-nikita para fazer, e resolve ficar de butuca, na moita, apenas... urubuservando a galera que passa????

Então...
Aconteceu exatamente isso hoje.
E, numa dessas minhas observações, eis que vem uma bebezinha guti-guti, a coisa mais fofinha da face da terra, no colo, creio eu, de sua mamis...
Pois bem...
Pergunte se houve uma única criatura, nas redondezas, por mais carrancuda que fosse, que não tivesse aberto um baita sorrisão para a pequena...
Perguntou???
A resposta: não.
TODOS,
absolutamente TOOOOOOOOODOS se renderam à fofura da pimpolha e, de alguma forma, tentaram fazer alguma gracinha para chamar a sua atenção (incluvise euzinha, óooooooooobvio!!!).
Ok.
Por que, então, a minha constatação de que
é triste ser um bebê lindão????
Por um único motivo: se esse bebê lindão seguir o fluxo normal da existência, ele vai se transformar num adulto (talvez lindão, talvez não)...
No entanto, mesmo para os adultos lindões a vida não segue abrindo os dentes num sorrisão o tempo inteiro...
Dando uma de sinhôzinho Malta, e balançando somente as pulseiras (já que não tenho relógio), eis a questão:
"tô certa ou tô errada"????
#fato
Ou seja...
Seguindo a minha fantástica teoria de 2a-feira improdutiva, esse adulto que já foi um bebê lindão não saberá lidar com as "caras feias" da vida, porque só aprendeu a receber sorrisos e gracinhas, tornando-se, fatalmente, uma criatura psicologicamente fragilizada, propensa ao suicídio (sim, as 2as-feiras me deixam bastante dramática!!! kkkkkkkkkkk).
E a vida pode apresentar muuuuuuuuuitas caras feias, acredite.
Portanto...
É bem melhor, então, ser um bebê medonho desprovido de beleza, pois a criatura, desde cedo, terá que conviver com "a vida como ela é" (estou totalmente rodrigueana hoje) e, óbvio, com sutis observações do tipo: "o importante é que tem saúde!"...
kkkkkkkkkkkkkkk
:))
E, assim, quando se tornar um adulto, não vai ser um palermão,
notoriamente inapto ao sofrimento...
kkkkkkkkkkkkkkkk
;)
Viram no quê que dá acordar cedo numa 2a-feira de feriadão???
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
*
Mas, como é inegável que os bebês fofos alegram a vida da gente, segue o vídeo que recebi, por e-mail, de uma amiga, para que tenham uma ótima semana: