terça-feira, 13 de dezembro de 2011

ÚLTIMOS 6 FILMITCHOS ASSISTIDOS...

O primeiro foi INCÊNDIOS:
"Filmado na Jordânia, Incêndios é um filme politizado de uma maneira diferente: é globalizado. Fala sim das guerras da década de 60, do obscurantismo religioso e dos refugiados, mas é também um filme sobre os filhos desses imigrantes, nascidos em países estrangeiros, que não falam a língua dos avós, não conhecem a cultura dos pais, e, em determinado momento, se perguntam (ou não) qual é a sua identidade - se é que existe uma, ou mesmo se eles têm uma. Daí a metáfora do incêndio: ruínas, apenas pequenos restos de algo que foi destruído selvagemente."
Crítica completa AQUI.
EXCELENTE!!!!

***
Depois, o iraniano TARTARUGAS PODEM VOAR:
"O cineasta Bahman Ghobadi faz um retrato doloroso de uma tribo minúscula profanada pelos seguidores violentos de Saddam Hussein, enquanto aguarda a invasão dos soldados norte-americanos. Mas o filme não é mero folheto político ou um documento descritivo de uma situação distante. (...) O campo de refugiados parece um lugar saído do inferno. Numa paisagem árida e rochosa, as barracas são montadas entre crateras, tanques de guerra destruídos e cartuchos de munição. Mais estranho ainda é que em meio à imundície e à miséria geral, se vêem peças de equipamento de alta tecnologia. Destas, a mais importante é a antena parabólica que um menino de 13 anos (Soran Ebrahim) conseguiu no mercado negro. O garoto pensa que, tendo acesso aos noticiários norte-americanos transmitidos por cabo, os moradores do acampamento poderão descobrir o que vai acontecer com eles."
Crítica completa AQUI.
SUPER RECOMENDADO!!!!
*Especialmente pela atuação das crianças, todas realmente oriundas de campos de refugiados.

***
Em seguida, o francês FELIZ QUE MINHA MÃE ESTEJA VIVA:
"Não é de hoje que as produções francesas arrasam a concorrência quando abordam dramas psicológicos. Foi o caso de “Ao Lado da Pianista” (2006) e “Cachê” (2005), apenas para ficar em dois bons exemplos. Na estreia “Feliz que Minha Mãe Esteja Viva”, o tema ganha nuances e profundidade em um resultado também acima da média. Inspirado em caso policial e extraído de um artigo de 1996 do escritor Emmanuel Carrère, o filme traz à tona uma história intrigante capaz de provocar uma oportuna reflexão da plateia. Na trama, a inconsequente Julie Martino (Sophie Cattani) tem dificuldades para conciliar a vida profissional com a educação dos filhos. Sem marido nem parentes próximos, a jovem permite que Thomas e seu irmão caçula sejam adotados por outra família. Na adolescência, o primogênito revela-se rebelde e inconformado, para desconforto dos novos pais. A idade adulta dá ao personagem certa maturidade para encarar o presente. Aos 20 anos, Thomas virou mecânico e segue numa obsessão: acertar as contas com a mãe biológica. Indicado ao César (o Oscar francês) de revelação, o ótimo ator Vincent Rottiers carrega no rosto o peso do protagonista. Entre o amor e o ódio, Thomas mostra-se uma pessoa desajustada. Sua infelicidade não vem de ter sido adotado, mas sim do desprezo de quem o gerou. Essas mágoas são exploradas com discrição emocional pelos cineastas Claude e Nathan Miller, pai e filho, que tentam decifrar, ao longo do azeitado roteiro, quão custoso pode ser o sentimento de rejeição.
(Miguel Barbieri Jr.)"
MUITO BOM MESMO!!!
*E sem pieguice no final.

***
Os 3 últimos tiveram a AIDS como tema:

E A VIDA CONTINUA:
MUITO BOM,
MAS... UM POUCO CANSATIVO.
:(
*Especialmente para quem não é da área médica.

***
FILADÉLFIA:
TOM HANKS e DENZEL WASHINGTON
estão simplesmente MEMORÁVEIS!!!
Ah, e a trilha sonora???
#adooooooooooooro

***
E, por fim, o super psicodélico filme feito para TV, 
ANGELS IN AMERICA:
Afff...
Na boa, no início, eu pensei que seria beeeeeeeeem interessante, especialmente pela fotografia.
Mas, de repente, tudo começou a ficar louco demais para a minha pobre cabecinha...
Sinceramente?
São 02 DVDs gigantes e exaustivos (352 minutos),
em que exageraram nos delírios apocalípticos...
Eu, hein?!
:(
Mas, pelo menos uma coisa é certa:
a atuação do Al Pacino é absolutamente IN-CRÍ-VEL!!!
*E compensou a tortura de algumas cenas.
kkkkkkkkk
AQUI, uma crítica completa.