segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

3 FILMINHOS AINDA NÃO POSTADOS...

Então...
Na semana passada, por conta do meu niver, e de alguns contratempos (kkkk), não tive como postar os filmes assistidos. Foram 6, ao todo: neste primeiro post, os que, mesmo assistidos no cinema, NÃO estão concorrendo a nenhum Oscar; e, no post seguinte, os que disputam alguma (ou algumas... kkkkk) estatueta (s).
Ok?
Vamos lá:
O primeiro foi
SHERLOCK HOLMES 2 - O JOGO DE SOMBRAS,
do qual gostei bastante (adoro o Sherlock!!!), mas que ficou muito "matrix" para o meu gosto, com efeitos especiais em demasia na minha humilde opinião.
Por isso, prefiro o primeiro.
De qualquer forma, há críticas, como esta AQUI, em sentido diametralmente oposto, e outras, como esta AQUI, da Isabela Boscov, que são bem mais "a minha cara"...
kkkkkkkkk
 Então, só conferindo mesmo...
Mas, de qualquer forma,
RECOMENDADO SIM!
;)

O segundo, em DVD, foi OSAMA,
a história de uma menina afegã, de 12 anos que, sob o cruel regime de opressão religiosa, vê-se obrigada, pela penúria da família, a assumir uma identidade de menino para que possa trabalhar. Só que tudo sai do aparente controle quando o suposto menino (Osama) é "recrutado" para ser formado pelos talibãs.
"Depois da projeção, fica bastante fácil entender porque Osama ganhou o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro este ano, além dos três prêmios especiais conquistados em Cannes em 2003. O filme é aquilo mesmo que o ocidente esperava do 'primeiro filme rodado no Afeganistão depois da guerra'. A temática é justamente aquela que traduzia o país antes da (e durante a) guerra: o tratamento desumano dado pelo talibã à mulher. Nesse sentido, Osama cumpre sua função como filme-documento (não como documentário, frise-se bem): é um manifesto de que o novo país, ressurgido das cinzas não dos ataques americanos, mas da opressão religiosa de anos - aquela que produziu as rugas no rosto e abateu os olhos verdes de Sharbat Gula, a moça afegã que virou símbolo ao mesmo tempo (e em dois tempos) da beleza da diversidade cultural e do horror da não aceitação do outro. Osama é o Afeganistão que o mundo já conhecia, o único Afeganistão que o mundo poderia compreender."
SUUUUUUUUUUUPER RECOMENDADO!!!

E o último, voltando ao cinema, foi o
PRECISAMOS FALAR SOBRE O KEVIN.
Sabe aqueles filmes que são verdadeiros socos no estômago? Filmes que nos fazem ficar grudados na poltrona, em estado de choque, sem coragem nenhuma de sair da sala de projeção, enquanto passam os intermináveis letreiros com os créditos?
Pois então...
Esse, definitivamente, É um desses filmes.
Não, o foco não é o massacre ocorrido na escola. O foco é a família do Kevin, os pais do Kevin, as incapacidades emocionais da mãe do Kevin, e... o próprio Kevin, com toda a sua estranheza e crueldade...
NÃO, não entendo o fato de este filme não estar concorrendo a nenhum Oscar...
Ou melhor, entendo sim... Esta crítica AQUI explica bem o porquê.
EXCELENTE!!!
*Todo mundo deveria ver esse filme...
:(