terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

6 últimos filmes...

Ontem foi um dia muuuuuuuuito punk aqui no escritório, e não consegui postar os filmitchos assistidos desde a 4a-feira de cinzas... Então, sem muitos rodeios, desta vez não vou postá-los na sequencia em que foram vistos, mas, para facilitar, vou dividi-los em DVDs e CINEMA, ok? Vamos lá:

Em DVD:
O DEVORADOR DE PECADOS
(The Order)

ALTAMENTE HERÉTICO!
Super tendencioso contra a Igreja Católica.
Em matéria de fotografia, excelente.
De criatividade (e bizarrice), também.
Mas...
Pode causar um grande estrago em pessoas que desconheçam a verdadeira fé católica e a missão salvífica de Jesus.
NADA RECOMENDADO!
*
EM NOME DE DEUS
(The Magdalene Sisters)

ATROCIDADES COMETIDAS
"EM NOME DE DEUS"...
VERGONHOSO É A PALAVRA.
*
OITAVO DIA
(Le Huitième Jour)

"O filme tem como pano de fundo os desencontros entre pessoas comuns, que repentinamente são obrigadas a compartilhar o seu "mundo normal” com outra “diferente”. (...) O filme de Philippe Godeau mostra isto claramente já nas cenas iniciais, quando o jovem Georges, portador de SÍNDROME DE DOWN, e Harry, um homem aparentemente comum, mas, terrivelmente obsecado por seu trabalho, envolvem-se em um acidente e, se não fosse por este fato, jamais teriam seus caminhos cruzados e alterados para sempre.
Pessoas como Georges não entram na vida das pessoas normalmente. Elas, os "especiais" entram quase sempre por “acidente”, e com Harry não foi diferente. Georges entra em sua vida, literalmente, por um acidente. (...) Georges é aquele que cruza o caminho sem ser chamado, é o desastrado que faz com que as pessoas refaçam seus planos e mudem de direção. Georges é a “pedra” no caminho. Ele não provoca o acidente, ele é o próprio “acidente”. E depois desse “acontecimento” não há como alterá-lo. (...) Harry, o personagem “normal” após quase atropelar Georges não foge a sua responsabilidade e tenta dirimir sua falta oferecendo uma carona a sua quase “vítima”. (...) Harry é bem intencionado e prestativo, no entanto, a presença e o comportamento incomum de Georges, além do peso da responsabilidade por tal pessoa, começam a incomodá-lo. Isto faz crescer também o desejo de se ver livre o mais rápido possível daquele “peso”. (...) O que Harry não percebe, ao primeiro momento, que o rapaz é também um fugitivo, mas no caso deste, a fuga é de uma instituição que abriga pessoas com SD, e o nosso caro desajeitado Geoges está decidido a não mais retornar àquele local.
“Diferentes” aos olhos de “diferentes” são iguais. Porém, a instituição em que Georges vive não é controlada por um “igual”. Os “iguais”, ou melhor, os "normais" são os que possuem o controle e autoridade sobre todos os “diferentes”. A vida é regida e ditada pelos “normais”, e só existe espaço para alguma liberdade dentro dos limites do prédio. Não existe espaço para o erro, ou melhor, para a opção de escolha. (...) O sanatório significa isolamento, prisão, controle de suas vontades e principalmente o afastamento daqueles que tem algum significado em suas vidas (cena em que encontra a irmã e implora a ela que o aceite em sua casa).
Georges nasceu e cresceu em uma redoma protetora construída por sua mãe, que o protegia e ao mesmo tempo o isolava dos perigos do mundo (certamente, porque o amava muito e, talzez, desejasse protege-lo do perigo maior; o preconceito). Porém, como as fantasias são frágeis e com o tempo, inevitavelmente , desbotam, rasgam-se ou quebram-se, ou seja, suas existências são tão efêmeras quanto a vida. A perda da mãe causou uma ruptura com a fantasia com seu mundo seguro (...). Harry é também um fugitivo de seu mundo extremamente racional em que os valores foram invertidos, e que ele toma consciência disto um pouco tarde (cena em que esquece as filhas na estação, ao dar mais prioridade ao seu trabalho do que a família). Harry é o representante da racionalidade e Georges o da irracionalidade, nada poderia ser mais antagônico. (...) O convívio forçado dá tempo e oportunidade para Georges mostrar a harry algumas belezas que a racionalidade dos "normais" não lhes permitem enxergar. (...) Porém, como nem tudo na vida são flores, e o filme de Godeau é um filme de “Amor”, como todo bom filme de amor, o desfecho é dramático, porém, ao mesmo tempo, poético (...)."
Crítica completa AQUI.
POETICAMENTE PERTURBADOR...
*
CASA DE AREIA E NÉVOA
(House of Sand and Fog)

EX-CE-LEN-TE!!!!
SUUUUUUUPER RECOMENDADO!!!
**
No CINEMA:
L'APOLLONIDE -
OS AMORES DA CASA DE TOLERÂNCIA
(L’Apollonide - Souvenirs de la Maison Close)
Tem uma fotografia,
um figurino (quando as mulheres estão vestidas, é claro)
e uma trilha sonora INCRÍVEIS!!!
Mas não é NADA FÁCIL de assitir...
Tem cenas muuuuuuuuuuito fortes.
ALTAMENTE RECOMENDADO
APENAS PARA QUEM ACHA LINDA
A VIDA DAS "BRUNAS SURFISTINHAS" POR AÍ...
PORQUE A REALIDADE PODE SER BEEEEEEM CRUEL.
Para entender melhor a proposta, 2 trechinhos de uma entrevista com o diretor:
"Há uma bem-vinda contradição no filme que parece ser sua força motor. Para as mulheres, a casa é uma prisão – um diálogo expõe a saída do casarão como um grande evento. Para os clientes, é o passe livre, a autorização para fazer o que quiser. Quanto desse antagonismo está na raiz de L’Apollonide – Os Amores da Casa de Tolerância?
Sim, toda a compreensão depende do ponto de vista. Pela perspectiva dos homens, é beleza, luxúria, champanhe e sexo. Na visão das garotas, é prisão, doença, pobreza e medo. Eu realmente queria fazer um filme cheio de contrastes que coexistissem. Mas não acredito que se trate de contradição, mas sim de realidade.
De alguma maneira, seus filmes sempre lidam com sexo, sexualidade e fetiches. Você considera que já estamos liberados para tratar desses assuntos no cinema? Em 2012, qual é nosso nível de conservadorismo?
Tudo depende de como e por que você mostra as coisas… sim, nós ainda somos muito conservadores e nenhuma amarra foi realmente rompida. Intimidade é um assunto privado. Mas já se fez tantos filmes com cenas de sexo, então filmar uma apenas por filmar não me interessa, é estéril. Em L’apollonide, que é um filme sobre bordel, não se tem uma cena clássica de sexo."
Entrevista completa AQUI.
*
E, por fim, o que assisti, com Ana Maria, na última 6a-feira:
A MULHER DE PRETO
(The Woman in Black)
"Na trama, um jovem advogado chamado Arthur Kipps, após o ultimato da firma onde trabalha, parte em busca de uma vila para tratar dos assuntos jurídicos de um falecido dono de uma mansão. Assim, é forçado a deixar o filho pequeno na responsabilidade de uma babá na cidade onde mora. Chegando nessa vila, logo percebe que todos os moradores parecem assustados com a presença dele e o quadro só piora quando o Sr. Kipps começa a ver uma mulher vestida de preto ao redor da mansão. Arthur Kipps é um personagem bastante interessante. Fica visivelmente abalado emocionalmente, após o falecimento da mulher (no parto de seu filho), percebemos isso quando sentimos um conflito interno do personagem em acreditar ou não na ‘Mulher de Preto’. (...) O grande destaque do filme vai para uma dupla de coadjuvantes, em admiráveis atuações. Janet Mcteer (que ofuscou Glenn Close em ‘Albert Nobbs’) está excelente no papel de Mrs. Daily, uma mulher perturbada pelo espírito do filho que falecera anos atrás. A cena intensa dessa personagem na mesa de jantar gera alguns sustos. O sazonado ator irlandês Ciarán Hinds é o Sr. Daily, um homem que não acredita no espiritismo que ronda a vizinhança onde mora. É o principal amigo do personagem de Radcliffe, virando uma espécie de Watson. O diretor, com sua frenética câmera, tenta aproximar os detalhes a todo instante. O público interage muito com a fita (se assustando principalmente) tentando encontrar nesses detalhes alguma parte importante do quebra-cabeça. O roteiro é assinado por Jane Goldman (uma das roteiristas do elogiado ‘X-Men: Primeira Classe’) adaptado do livro de Susan Hill. A boa trilha de Marco Beltrami também é digna de elogios."

MUUUUUUUUUUITO BOM!!!!
UMA FOTOGRAFIA INCRÍVEL!!!!
EU AMEEEEEEEEEEEI!!!!
ASSISTIRIA NOVAMENTE!!!!
*Especialmente sem a "companhia" das 2 aborrecentes insuportáveis que conseguiram a proeza de irritar tooooooooodos os que estavam TENTANDO ver o filme.
#ninguémmerece