quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

World Press Photos

"Um ataque a bomba nesta quarta-feira (22) deixou dois jornalistas mortos e outras nove pessoas feridas na cidade de Homs, na Síria. A veterana correspondente americana Marie Colvin, que trabalhava para o jornal inglês The Sunday Times e cobriu outros conflitos, como no Sri Lanka e no Zimbábue, e o fotógrafo francês Remi Ochlik, da revista Paris Match, estavam em uma casa que servia de refúgio aos repórteres que chegavam ao bairro de Bab al-Amr. Outros dois jornalistas e sete ativistas locais ficaram feridos."
Notícia completa AQUI.


Na foto acima, o próprio Remi Ochlik que, inclusive, já havia ganho um WORLD PRESS PHOTOS, que, para quem não sabe, é o mais importante prêmio internacional de fotojornalismo.

E, fazendo uma visita ao site oficial do WORLD PRESS PHOTOS, cheguei ao link com a galeria completa de imagens, algumas altamente impactantes... Eis uma amostra (muito pequena) das minhas favoritas:

Nigéria - 01/08/2005 - Foto de Finbarr O’Reilly - Os dedos subnutridos de Alassa Galisou são pressionados contra os lábios da sua mãe, Fatou Ousseini, em um centro de alimentação de emergência. Uma das piores secas daquela época, juntamente com uma praga de gafanhotos que destruíra a colheita do ano anterior, deixara milhões de pessoas na mais extrema miséria.

Venezuela - 2007 - Foto de Cristina Garcia Rodero - Uma sacerdotiza, María Lionza, liberta espíritos malignos para que eles possam ser enterrados na terra. A religião popular (seita) de María Lionza tem o maior número de seguidores de toda a Venezuela. O culto é uma mistura de ritos africanos, indígenas e crenças católicas romanas, e é popular em todos os estratos da sociedade. María Lionza é reverenciada como uma deusa da natureza, paz, amor e harmonia, e os seguidores acreditam que ela ainda vive em Montana de Sorte, juntamente com muitos espíritos importantes. Devotos viajam à montanha em sua homenagem, e para comungarem com o mundo espiritual.

Israel - 01/02/2006 - Foto de Oded Balilty - Colona judia resiste à polícia de choque israelense ao executar ordem da Suprema Corte para demolir nove casas em um posto avançado do assentamento Amona. Moradores unidos por milhares de outros manifestantes levantaram barreiras de arame farpado para proteger as casas e, por isso, colidiram violentamente com a polícia. Mais de 200 pessoas ficaram feridas, incluindo 80 policiais.

Kenya - 17/01/2008 - Foto de Walter Astrada - Lawiland (7 anos) grita como um policial que se aproxima de sua casa, no reduto da oposição de Kibera. A violência étnica explodira no Kenya após as eleições disputadas de dezembro de 2007 a fevereiro de 2008. Grande parte do combate foi entre os membros da tribo Kikuyu, os defensores de Mwai Kibaki, e a tribo Luo, partidários do candidato da oposição à época, Raila Odinga.

Somalia - 13/12/2009 - Foto de Farah Abdi Warsameh - Mohamed Abukar Ibrahim, de 48 anos, foi apedrejado até a morte por membros do Hizbul Islam, um grupo de insurgentes islâmicos somalis em Afgoye, a 30 km da capital Mogadíscio, em 13 de Dezembro. Ibrahim foi considerada culpado de adultério por um tribunal da Sharia local. Em fevereiro daquele ano, o presidente de um governo de transição havia concordado com a introdução da sharia na Somália, a fim de acalmar os confrontos entre o governo e local clã, baseado em milícias.
*Mais terríveis ainda são as fotos do apedrejamento em si, neste LINK.

Afeganistão - Destaque do World Press Photo em 2011 - Foto de Jodi Bieber - Bibi Aisha, de 18 anos, foi desfigurada por ter fugido da casa de seu marido na província de Uruzgan, no centro do Afeganistão. Na idade de 12 anos, Aisha e sua irmã mais nova tinham sido entregues à família de um combatente talibã, no âmbito de um costume tribal pashtun de resolução de litígios. Quando ela atingiu a puberdade, foi obrigada a casar-se com ele, mas, mais tarde, voltou para a casa de seus pais, reclamando do tratamento violento de seus sogros. Os homens, então, foram busca-la, numa noite, exigindo que ela fosse entregue à punição por fuga. Aisha foi levada para uma clareira na montanha, onde, sob as ordens de um comandante do Taliban, teve suas orelhas e nariz cortados. Aisha foi abandonada e, mais tarde, resgatada e levada a um abrigo em Cabul, gerenciado por uma organização de ajuda a mulheres afegãs, onde ela recebeu tratamento e auxílio psicológico. Depois de um tempo no refúgio, ela foi levada aos Estados Unidos para receber aconselhamento e cirurgia reconstrutiva.

E, por fim, o grande destaque do World Press Photos deste ano, do espanhol Samuel Aranda: uma mulher segura seu filho ferido nos braços, dentro de uma mesquita usada como um hospital de campo por manifestantes contra o governo do presidente Ali Abdullah Saleh, durante confrontos em Sanaa, Iémen, em 15 de outubro de 2011.
*
Enfim...
O World Press Photos não tem, apenas, este tipo de fotos.
Não.
Há diversas categorias, que englobam celebridades, esportes etc.
Mas...
Outra vez citando o cineasta Carlos Reincheback,
penso que, da mesma forma que o cinema,
este tipo de foto também
"nos ajuda a entender o nosso tempo".
Ou não.
Porque, definitivamente,
algumas coisas são impossíveis de entender...