sexta-feira, 22 de junho de 2012

Volteeeeeeeeeeeeei!!!!


Genteeeeeeeeeeeeeeeeeeem,
caramba, praticamente 01 mês sem postar aqui...
Afff...
E eu nem havia me dado conta
de que passara tanto tempo...
:(
É que muitas coisas aconteceram (QUASE todas ótimas, graças a Deus, incluindo a chegada do meu noivo!!!) e, por isso, acabei ficando sem tempo de atualizar o blog...
Mas, entre as coisas não ótimas, está que...
MEU APARELHO DE DVD FOI PARA O BREJO...
Ninguém merece.
:((

Por isso, vamos às atualizações, infelizmente com apenas 1 filmitcho assistido... Mas com 2 livros lidos!!!!

O filme foi o israelense
PECADO DA CARNE (Einaym Pkuhot):
"Num bairro ultra-ortodoxo de Jerusalém, pai de quatro filhos tem sua vida mudada completamente com a chegada do jovem estudante Ezri. Ambos começam a passar tempo juntos, e por períodos cada vez maiores, levando Aaron a ser imediatamente discriminado em sua comunidade."
ATENÇÃO:
não é uma filme para uma "leitura" superficial.
Deve ser assistido à luz de sentimentos e tradições religiosas/familiares que podem ser seriamente abaladas e/ou destruídas por enganos (de ambos os envolvidos).
DENSO!
INTERPRETAÇÕES NOTA 10!!!
**

O primeiro livro,
que peguei emprestado com um amigo,
foi QUO VADIS - ROMANCE DO TEMPO DE NERO:
EXCELENTE PARA QUEM CURTE
ROMANCES ÉPICOS (e longos: 552 páginas)!!!
SUPER RECOMENDADO!!!
"Henryk Sienkiewicz, escritor polonês, apresenta neste livro a Roma dos Césares, o contraste entre o paganismo requintado mas gangrenado pelo orgulho e o cristianismo humilde e fervoroso, que cresce entre o egoísmo e o amor. O autor apresenta Nero, em breves traços, descrevendo sua mania de grandeza e todos os seus caprichos cruéis."
*A descrição das torturas sofridas pelos cristãos é impressionante!
**

E o último, bem fininho (só 72 páginas), lido no início desta semana,
foi AMAR OU MORRER -
MÁXIMAS DE SÃO FRANCISCO DE SALES:
A vida de São Francisco de Sales foi relativamente breve, mas vivida com grande intensidade. Da sua figura emana uma impressão de rara plenitude, demonstrada na tranquilidade da sua investigação intelectual, mas também na riqueza dos seus afetos e na «docilidade» dos seus ensinamentos, que tiveram uma grande influência sobre a consciência cristã. Ele encarnou várias das acepções que a palavra «humanidade» pode assumir, tanto hoje como ontem: cultura e cortesia, liberdade e ternura, nobreza e solidariedade. No aspecto, tinha algo da majestade da paisagem em que viveu, conservando também a sua simplicidade e naturalidade. As antigas palavras e imagens com que se expressava ressoam inesperadamente, até aos ouvidos do homem contemporâneo, como uma língua nativa e familiar” (Bento XVI).“Ó almas cristãs! Desejai de bom ânimo, ou morrer, ou amar a Deus, já que viver sem amá-lo é infinitamente pior que a própria morte”: este é o pano de fundo comum à coletânea destas máximas, extraídas da vasta e riquíssima obra de um dos grandes doutores da Igreja. Separadas por temas – caridade, humildade, virtudes, etc. – para facilitar o seu uso como pontos de meditação para a oração pessoal, deixam entrever um pouco da profunda humildade e confiança em Deus que o seu Autor sempre viveu e ensinou.
MUITO BOM!!!
Para ser saboreado!!!
;)